Saúde Primeiro – As USF como exemplo de soluções e boas-práticas a disseminar no SNS

COMUNICADO

Assistimos no dia 11 de fevereiro de 2019 a um importante debate com o tema “Saúde Primeiro”, transmitido na RTP1 no programa Prós e Contras com a presença da Srª. Ministra da Saúde.

Dos convidados na plateia, destacamos a ausência de representantes dos Cuidados de Saúde Primários (CSP). Será porque os CSP não têm problemas? Será porque os CSP estão a dar a resposta adequada?

Efetivamente, recentemente ouvimos o Primeiro-ministro afirmar que o “grande investimento” que o país tem que “continuadamente fazer” na área da Saúde é no programa de cuidados primários e continuados para não fazer cair nos hospitais. Prova disso e partilhado no referido debate, tivemos a confirmação do Diretor Clínico do Hospital de Barcelos que nos mostrou que com uma correta utilização dos CSP, nomeadamente das Unidades de Saúde Familiar (USF) e a sua capacidade de resposta a situações de doença aguda, houve uma redução da utilização das urgências. Note-se nesta afirmação que, em cada 10 casos de urgência, 6 eram não urgentes e podiam ser resolvidos com a sua equipa de saúde familiar, de forma mais eficiente e segura. Recordamos que se todo o país fosse coberto por USF, teríamos uma redução de cerca de 647.563 mil idas às urgências por ano, com uma poupança potencial de €54 milhões (dados de 2015 da ENSP).

Ao mesmo tempo, a Senhora Ministra da Saúde afirmou que a criação das USF se apresenta como um sinal da reformulação e adaptação do Serviço Nacional de Saúde (SNS) às atuais exigências e necessidades do cidadão, que se apresenta mais informado e participado na saúde.

Sejamos capazes de assumir que USF não estão no lado dos problemas, mas das soluções e boas-práticas a disseminar. É assim desde o início da Reforma dos CSP em 2005!

A OCDE, o European Observatory on Health Systems and Policies e a Comissão Europeia também não têm dúvidas em dizer que Portugal tem baixas taxas de mortalidade evitável, hospitalização evitável (das melhores da OCDE) e que isso é prova de que os Centros de Saúde, nos quais 60% da população está coberta por USF, funcionam bem. Nem a Troika desconfiou das USF, bem pelo contrário, porque reconheceu a boa-prática não só para a qualidade dos cuidados, mas para a sustentabilidade do SNS.

Então, como explicar as dúvidas do Ministério das Finanças em permitir a generalização do modelo B de USF e a abertura de mais USF de modelo A? Quer a Ministra da Saúde quer o Primeiro-ministro não têm dúvidas!

Não havendo dúvidas, quem não quer que avance o modelo que faz avançar a Saúde em Portugal – as USF de modelo B?

A Direção

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Don't have account. Register

Lost Password

Register

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!