RELATÓRIO DO TRIBUNAL DE CONTAS – DADOS NÃO FUNDAMENTADOS E MAL NOTICIADOS

COMUNICADO

 


 

 

Ao contrário que se diz as USF (nomeadamente as USF de modelo B) demonstram que fazem mais, melhor e a melhor preço e que os cidadãos também o reconhecem!

No seguimento da notícia publicada pela LUSA – Agência de Notícias de Portugal, S.A, com o título Utentes dos centros de saúde esperavam demasiado por uma consulta em 2015 – TdC, recordamos que anterior Ministro da Saúde solicitou, em 25 de maio de 2015, à Entidade Reguladora da Saúde (ERS), um estudo comparativo das Unidades de Saúde Familiar (USF) e das Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados (UCSP), em cinco áreas: acesso, produção, prevenção, internamentos evitáveis e eficiência, tendo concluído um melhor desempenho das USF modelo B na maioria dos indicadores considerados.

Recordamos algumas das conclusões:

1. Acesso: maior taxa de cobertura nas USF modelo B do que nas USF modelo A e nas UCSP. No que se refere ao cumprimento dos Tempos Máximos de Resposta Garantidos, constatou-se que as UCSP foram visadas em maior número de reclamações, destacando-se como principais constrangimentos a demora na marcação de consulta programada para adulto a pedido do utente e a não marcação de consulta por doença aguda no tempo devido, contrariado assim o que foi noticiado.

2. Produção: taxas de utilização sempre superiores nas USF modelo B (consultas médicas e de enfermagem, de grupos vulneráveis e de risco, consultas domiciliárias).

3. Prevenção: melhor desempenho na avaliação dos indicadores de vigilância oncológica, de rastreio, de vacinação e de prevalência de doença nas USF modelo B, seguidas pelas USF modelo A.

4. Internamentos evitáveis: menor taxa de internamentos hospitalares evitáveis (ex.: Pneumonia e Infeções Urinárias) por resposta adequada nas USF.

5. Eficiência económica: constatou-se que as USF modelo B exibiram um melhor desempenho (despesa mais baixa), seguidas pelas USF modelo A. A despesa média com medicamentos nas USF de modelo B foi de 135 euros para 177 euros nas UCSP e a despesa média com meios complementares de diagnóstico e terapêutica (MCDT) prescritos, por utente utilizador, foi de 46,95 euros nas USF de modelo B e de 51,75 euros nas UCSP.

Reforçando com dados do estudo em referência, “(…) Em todas as regiões de saúde, as USF de modelo B são as unidades em que os médicos têm uma lista de utentes em média maior (exceto a ARS Lisboa e Vale do Tejo, em que é as USF de modelo A). O mesmo se passa ao nível da dotação de enfermeiros face aos utentes com médico de família. (…)”. Acrescenta-se “(…) que nas USF (modelo A e B) a percentagem da população com médico de família aproxima-se dos 100%, nitidamente superior à percentagem de utentes com médico de família nas UCSP.”.

Uma vez mais fica comprovada uma maior taxa de cobertura dada pelo modelo USF.

Por sua vez, a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE), no seu relatório de 2015 que avaliou o sistema de saúde português, elogia a reforma nos cuidados de saúde primários (CSP), os sistemas de informação, as reduções da mortalidade nos enfartes e o número de internamentos evitados na asma e doença pulmonar obstrutiva crónica. Mas aponta o dedo a um sistema ainda demasiado focado nos hospitais, com problemas graves como as altas taxas de infeção, de cesariana e maiores períodos de internamento.

Onde logo na introdução são reconhecidos os bons resultados, desde a criação das USF – Unidades de Saúde Familiar, nomeadamente as USF de modelo B, terminando com a recomendação da sua expansão a todo o país.

Em suma, reportando-nos às mesmas datas as recolha dos dados estatísticos aqui em referência, não se compreende como destes se podem retirar conclusão tão distintas. Acreditamos que a análise e conclusões feitas pelos auditores do TdC poderão não ser a mais certas.

Ao mesmo tempo, não se compreende porque não se sondam ganhos em saúde, internamentos evitáveis, eficiência, satisfação dos utentes e dos profissionais.

As USF (nomeadamente as de modelo B) demonstram que fazem mais, melhor e a melhor preço e que os cidadãos também o reconhecem!

Na sequência da publicação do Relatório de Auditoria nº 11/2016 do TdC, a Direção da USF-AN solicitará audiência a essa entidade, com o objetivo de perceber que dados foram analisados e de que forma foram recolhidos, resultando assim nas conclusões divulgadas pela LUSA – Agência de Notícias de Portugal, S.A..

Pel´a Direção da USF-AN

João Rodrigues

Presidente da Direção

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Don't have account. Register

Lost Password

Register

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!