Governo e Ministério da Saúde desvalorizam os Cuidados de Saúde Primários na retoma da atividade assistencial presencial

29.julho.2020

COMUNICADO

Em entrevista recente, ouvimos a Sra. Ministra da Saúde dar relevância ao trabalho realizado nos Cuidados Saúde Primários (CSP), bem como à importância destes no combate da pandemia COVID-19.

Nesta linha de pensamento, de acordo com o Programa de Estabilização Económica e Social (PEES), aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 41/2020, 6 de junho, esperávamos um forte investimento nos CSP, quer em termos de recursos humanos, quer em termos de recursos materiais e físicos, que demasiadas vezes são escassos como recentemente e reiteradamente tornamos público.

Queremos deixar claro que a USF-AN valoriza todos os níveis de cuidados, incentivando uma estreita articulação e cooperação entre eles, fortalecendo deste modo a rede nacional de prestação de cuidados de saúde à população e promovendo uma verdadeira integração de cuidados.

Por este motivo, surpreende-nos a publicação da Portaria n.º 171/2020, de 14 de julho, não pelo seu alcance propriamente dito, mas por não abranger a possível recuperação de atividade em atraso das USF/UCSP em particular e dos CSP no geral, a exemplo, a respetiva Portaria nem tão pouco refere a Saúde Pública tão sobrecarregada nesta Pandemia, tendo-se até suspendido as Juntas Médicas, focando-se apenas nos cuidados hospitalares.

Não podemos esquecer que nos CSP estão também a ser recuperadas consultas que não foram realizadas enquanto o Estado de Emergência vigorava. Segundo a Sra. Ministra Saúde, estamos a falar de 1,1 milhões de consultas adiadas só nos CSP.

Assim, tendo em conta também estes dados, consideramos não ser compreensível a não existência de uma portaria semelhante para recuperar a atividade assistencial em atraso das consultas programadas nas diversas áreas de atuação dos CSP (Diabetes, HTA, Rastreios, Planeamento Familiar, etc.), incluindo da Saúde Pública.

Não é de hoje que está provado que uma gestão equilibrada do Serviço Nacional de Saúde (SNS) deve valorizar o primeiro nível de cuidados, os CSP, abandonando a gestão “hospitalocêntrica”. Vários estudos demonstram que uma aposta nos cuidados de proximidade potencia a saúde e bem-estar da população, libertando os serviços hospitalares. Rapidamente comprovamos isto, por exemplo, ao consultar o último estudo da Ex-Coordenação Nacional para a Reforma do SNS, área dos CSP (ver aqui). Para que tal aconteça, é necessário um real investimento nos CSP e nas suas equipas de saúde familiar.

Neste sentido, solicitamos à Senhora Ministra da Saúde que efetivamente execute o que defende publicamente e opere uma real aposta nos CSP, recorrendo ao PEES. Não temos dúvidas de que a aposta nos CSP é o caminho seguro e consistente para termos um SNS mais saudável e fortalecido, principalmente para esta fase que se prevê de uma eventual segunda vaga da COVID-19.

A Direção

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Don't have account. Register

Lost Password

Register

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!