Estudo Momento Atual dos CSP

Resultados do Estudo “Momento Atual da Reforma dos Cuidados de Saúde Primários em Portugal 2014/2015”

Questionário aos Coordenadores e Relatório do Estudo

Conheça já o Estudo!


“O presente estudo, que assinala já a sua sexta edição, mantém o objetivo de caracterizar o estado da reforma dos cuidados de saúde primários (CSP) através da avaliação que os coordenadores das Unidades de Saúde Familiar (USF) fazem do momento atual desta reforma. Em termos metodológicos, a grande diferença foi ter recebido um conjunto de contributos mais alargado para o desenvolvimento do questionário que se aplicou, incluindo vários serviços do Ministério da Saúde. A população em estudo são todos os coordenadores de USF em atividade, tendo-se feito um censo e inquirido todos os coordenadores. Obteve-se uma taxa de resposta de 73,9% em relação a todos os coordenadores de USF do País (309 em 418 USF existentes), o que é um recorde de respostas. Em termos de contexto, em 2014/2015 acentua-se o abrandamento da reforma dos CSP quanto ao número de novas USF, o que se tem vindo a verificar de forma clara a partir de 2011/2012, apesar de continuarem a registar-se novas candidaturas por parte dos profissionais e de existirem 68 candidaturas à espera de resposta1. Destaca-se que este ano foi alcançado um novo mínimo de sempre – apenas uma nova USF inaugurada nos primeiros quatro meses de 2015. As USF modelo B iniciaram este processo descendente em 2012, curiosamente após o Memorando de Entendimento da Troika2 ter recomendado o seu aumento. As USF Modelo B foram o único serviço público a ter uma referência explícita no sentido do seu aumento, dadas as vantagens que demonstram ter e que já estavam comprovadas naquela altura. Este contexto contribui para a explicação do descontentamento crescente dos coordenadores das USF com a reforma como processo global que se verifica atualmente. A insatisfação com a reforma e com a atuação do Ministério da saúde atingiu o valor mais elevado de sempre. A insatisfação com estruturas relacionadas mais diretamente com a tutela continua num registo negativo, com uma reduzida percentagem de coordenadores satisfeitos ou muito satisfeitos (gráfico 4) em relação à Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) (3,6%), aos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) (3,7%), às Administrações Regionais de Saúde (ARS) (13,4%) e aos Departamentos de Contratualização Regional (17,8%). Apesar de negativa, a avaliação destas instituições regista uma ligeira melhoria em relação ao ano passado. Por outro lado, verificam-se melhorias da satisfação com estruturas mais perto das USF: Equipas Regionais de Apoio (50,3% coordenadores satisfeitos ou muito satisfeitos) e ACES (52,5%). Verificam-se, no entanto, nuances regionais importantes a nível de várias estruturas das regiões – de um modo geral, na região Norte há melhorias de um modo mais marcado, na região Centro mantém-se a que maior satisfação gera e a região de LVT é a que melhora menos e mantém registos negativos.”

Relatório Completo “Momento Atual da Reforma dos Cuidados de Saúde Primários em Portugal 2014/2015” – clique aqui para aceder

Relatório Resumido “Momento Atual da Reforma dos Cuidados de Saúde Primários em Portugal 2014/2015” – clique aqui para aceder

Apresentação do Estudo “Momento Atual da Reforma dos Cuidados de Saúde Primários em Portugal 2014/2015”, por André Biscaia no 7º Encontro Nacional das USF – clique aqui para aceder

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Don't have account. Register

Lost Password

Register

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!