ESPECIALIDADE DE ENFERMAGEM DE SAÚDE FAMILIAR

No passado dia 20 de dezembro, realizou-se a 1ª reunião do grupo de trabalho para o desenvolvimento e acompanhamento de boas práticas do enfermeiro especialista em enfermagem de saúde familiar (criado pela Portaria n.º 281/2016) (link​ para a portaria). Esta portaria vem reiterar a intenção política de ​​​aperfeiçoar a rede de recursos humanos no SNS, com foco na especialidade de enfermagem de saúde familiar (EESF), onde é reconhecida a necessidade de um enquadramento profissional específico, titulação conferida pela Ordem dos Enfermeiros (OE), cujo processo se comprometeu a desenvolver a partir de Janeiro de 2017, sendo ainda criado o grupo de trabalho para o desenvolvimento e acompanhamento de boas práticas do enfermeiro EESF.​

Este grupo de trabalho é constituído por um representante da Administração Central do Sistema de Saúde, IP (ACSS), Dra. Marta Temido que coordena, um representante da Coordenação Nacional para a Reforma Cuidados Saúde Primários (CNCSP), Enfermeiro Manuel Oliveira, um representante da DGS, Enfermeiro Sérgio Gomes, um representante da Associação Nacional de USF (USF-AN), Enfermeira Cristina Afonso, e por dois representantes da Ordem dos Enfermeiros, Enfermeiro Luís Barreira e a Enfermeira Clarisse Louro. A USF-AN congratula-se com o compromisso deste grupo em prol do trabalho desenvolvido pelos enfermeiros nos CSP, num contexto de equipa de saúde familiar, fomentando uma verdadeira política de recursos humanos e contribuindo para promover uma melhor combinação entre as competências presentes na equipa de saúde.

O reconhecimento do conteúdo funcional do enfermeiro de família como o especialista em saúde familiar representa a 2ª medida do pilar 7, inscrita no livro 7×7 Medidas da USF-AN, constituindo assim, uma das 7 prioridades deste mandato. Salienta-se o percurso realizado por estes profissionais, ao longo destes 10 anos, na sua afirmação junto da população, onde, de acordo com o BI|USF, a proporção de consultas realizadas pelo enfermeiro de família é superior a 57% a nível Nacional e superior a 65% nas USF modelo B, estando esta metodologia de trabalho amplamente implementada a nível nacional, com reconhecimento pela população servida, sendo prioritária a qualificação desta intervenção dos enfermeiros de família nos CSP, nomeadamente das USF e UCSP, junto das famílias.

A EESF encontra-se devidamente individualizada e regulamentada nos termos dos documentos legais [1], sendo urgente a sua operacionalização, para uma maior personalização dos cuidados de enfermagem, maior reconhecimento profissional e social, maior vinculação entre a família e o enfermeiro, promoção da continuidade e proximidade dos cuidados, numa lógica de atendimento global, diferenciado e especializado à família, que garanta maior acessibilidade, planeamento e qualidade dos cuidados de enfermagem.

Apesar da operacionalização de uma nova especialidade se traduzir num processo de enorme complexidade, temos grande confiança no empenho e abertura por parte da Ordem dos Enfermeiros e todos os parceiros, em tornar célere a sua concretização.

[1] (Regulamento Nº 168/2011 que Regulamenta a Individualização das Especialidades Clínicas de Enfermagem (Diário da República, 2.ª série — n.º 47 de 8 de Março); Regulamento Nº 126/2011 que Regulamenta as Competências Específicas do Enfermeiro Especialista em Enfermagem de Saúde Familiar (Diário da República, 2.ª série — n.º 35 — 18 de Fevereiro); – Regulamento Nº 367/2015, que Regulamenta os Padrões de Qualidade dos Cuidados Especializados em Enfermagem de Saúde Familiar (Diário da República, 2ª série – Nº 124 -29 de junho de 2015).​

A Direção

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Don't have account. Register

Lost Password

Register

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!