CONCLUSÕES DAS 1AS JORNADAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE FAMILIAR

Decorreu em Coimbra, na Escola Superior de Enfermagem, por iniciativa da direção da USF-AN as 1as Jornadas de Enfermagem de Saúde Familiar com o objetivo de aprofundar a convergência para a criação do título de especialista em Enfermagem de Saúde Familiar.

Contámos com a forte participação da Ordem dos Enfermeiros (OE), destacando-se a presença da Senhora Bastonária, Enf.ª Ana Rita Cavaco, o Senhor Vice-presidente da OE, Enf.º Luís Barreira, a Senhora Presidente da Mesa do Colégio da Especialidade de Enfermagem Comunitária da OE, Enf.ª Clarisse Louro e o Senhor Presidente do Conselho Diretivo Regional da Secção Regional do Centro da OE, Enf.º Ricardo Matos. Para além destes destacamos ainda a presença do Senhor Enfermeiro Manuel Oliveira, Membro da Coordenação Nacional para a Reforma do SNS, área dos CSP e da Senhora Presidente da ACSS, IP, Dra. Marta Temido, Coordenadora do Grupo de Trabalho para o Enfermeiro de Família (EF).

Este dia de trabalho tinha como objetivo desenvolver de forma inclusiva, integrada e participada o enquadramento entre a componente teórica e prática enriquecida pela visão crítica da realidade dos vários contextos e ainda promover a oportunidade de todos os enfermeiros participarem ativamente neste processo.

A USF-AN congratula-se com os contributos desta jornada de trabalho, nomeadamente no âmbito das competências específicas do Enfermeiro Especialista em Enfermagem de Saúde Familiar (EESF), a concordância na generalidade, com o modelo de valorização profissional/atribuição de título de EESF, salvaguardando a incerteza, ainda existente da inoperacionalização do modelo e aprovação em Assembleia Geral da OE; expetativa elevada da brevidade desta aprovação e possibilidade de implementação da Especialidade; recetividade na colaboração no desenvolvimento da revisão do quadro de referência atual por todos os peritos na área.  

Este modelo apresentado pela OE, contempla a possibilidade de dois percursos. O percurso académico potencia a investigação clínica, pelos Enfermeiros Especialistas, nomeadamente no âmbito da Enfermagem Saúde Familiar, permitindo alcançar o grau de Mestre. O percurso profissional valida as competências para quem já trabalha em contexto de Enfermagem de Saúde Familiar, valorizando ainda a formação teórica anteriormente adquirida, sendo necessária a aquisição de créditos (ECT) através da formação em contexto formal.

Como conclusões dos grupos de trabalho salientamos a valorização do EF, como gestor do projeto de saúde da família; estimulando o desenvolvimento de uma cultura de referenciação interespecialidades em enfermagem, prevenindo a fragmentação dos cuidados de enfermagem, mantendo o foco na pessoa e nos diferentes contextos ao longo do ciclo vital, considerado a família para além da perspetiva psicossocial, favorecendo a capacitação dos profissionais para melhor avaliação, intervenção e referenciação, se necessário.

Quanto ao percurso formativo/formação salienta-se que atualmente a oferta não responde, ainda integralmente às necessidades para a prática especializada da Enfermagem de Saúde Familiar. Estes conteúdos concetuais consideram-se ainda escassos para dar resposta às carências percecionadas, pelos profissionais da prática clínica, nomeadamente na resposta especializada à carteira básica de serviços, com necessidade de balizar as intervenções dos novos especialistas e o que o define como EF. No entanto, os Modelos Teóricos subjacentes permitem aprofundar a perspetiva da avaliação e intervenção sistémica na família, como unidade de cuidados.

Como desafios reforça-se a necessidade de reorganização do modelo de EF na organização e contexto de equipa de saúde familiar, na vertente colaborativa, com a adequação de horários e de meios, de modo a atender às necessidades assistenciais. Estes aspetos contribuirão para o reconhecimento e valorização do papel de EF.

Será ainda necessário o desenvolvimento de sistemas de informação que permitam uma intervenção centrada na família como sistema, que possibilite a aplicação de instrumentos de avaliação familiar e que sustente a intervenção do EF, garantindo a documentação familiar que permita a avaliação dos ganhos em saúde. Com uma avaliação e intervenção centrada na família e a identificação das necessidades em saúde da família e de cada um dos seus membros, atendendo à sua singularidade, tendo em conta as forças, fraquezas e recursos da família, a promoção da saúde, prevenção e a gestão da doença (esperança média de vida, prevalência de doença crónica, doença mental, envelhecimento, etc.) e a incapacidade da família em reconhecer as suas necessidades presentes ou futuras (percursos de cuidados).

No âmbito do processo formativo dos Enfermeiros Especialistas deve ser considerado o desenvolvimento de competências de colaboração e liderança, a fim de promover a afirmação da sua especificidade e valor.

Destacamos como positivo a expetativa da célere resolução atendendo às circunstâncias atuais, como momento ótimo de transição; a conquista da fidelização dos utentes à equipa de saúde familiar enquanto referência e o facto de ter sido reiterado, pela OE, o compromisso de regulamentar/operacionalizar a EESF, tendo sido apresentado o modelo de valorização profissional e atribuição do título de Enfermeiro Especialista.

A Direção da USF-AN replicará a sessão de Apresentação das Conclusões dos Grupos de Trabalho no Porto (Secção Regional do Norte da Ordem dos Enfermeiros) e em Lisboa (Centro de Saúde de Sete Rios), nos dias 24 e 31 de março respetivamente. A sessão no Porto iniciará pelas 16h e a sessão de Lisboa pelas 15h.

Com o objetivo de antecipadamente perceber a participação esperada para estas sessões, bem como a organização das mesmas, a Direção da USF-AN agradeço que os Senhores(as) Enfermeiros(as) confirmem a sua presença em:

A Direção da USF-AN

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Don't have account. Register

Lost Password

Register

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!