Audiência com o GPBE – Programa Eleitoral para os CSP

Antecipando as Eleições Legislativas, a USF-AN solicitou respostas a questões concretas sobre os Cuidados de Saúde Primários, junto de todos os Partidos Políticos candidatos às Legislativas de 2019, com o intuito de informar os seus associados e a população em geral. Paralelamente, disponibilizou-se a discutir o Programa Eleitoral para os CSP e a expor as “7×7 Medidas para os CSP” revistas em 2019 tendo, para tal, solicitado audiência com os vários Partidos.

A 28 de novembro de 2019, fomos recebidos pelo deputado Moisés Ferreira do GPBE. Nesta reunião, onde participou o Presidente da Direção e seus Vice-presidentes, a USF-AN reforçou os ganhos em saúde conseguidos com o modelo USF e com a sua generalização em todo o país, para além de ter dado a conhecer os 7 pilares e as 7 ameaças aos CSP.

A USF-AN vinculou a necessidade do fim das quotas para USF e a passagem a USF modelo B em épocas fixas. Medidas que se encontram em consonância com o BE, que se revela estar em desacordo com as quotas administrativas, defendendo épocas fixas para passagem a USF modelo B e passagem automática a USF modelo A, perante parecer técnico das respetivas ARS.

Quanto aos recursos humanos, a USF-AN alertou para a falta de planeamento, a necessidade de uma aposta efetiva na definição das competências dos secretários clínicos e na especialização dos enfermeiros de família em enfermagem de saúde familiar, bem como o reforço de outras especialidades nos CSP. O BE reconhece estas preocupações e defende que as URAP sejam reforçadas com psicólogos, nutricionistas, higienistas orais/dentistas, entre outras especialidades. Estes devem existir em número suficiente para dar resposta à população abrangida, de modo a acabar com a fragilidade destas UF. A USF-AN reforçou a pobreza existente na articulação entre os dois níveis de cuidados, definindo como prioritário melhorar esta articulação, facilitando as referenciações e implementando equipas de consultadoria.

Também de acordo com a USF-AN, o GPBE defende o redimensionamento das listas de utentes – para aproximadamente 1500 – tendo, no entanto, consciência que não será um caminho fácil, uma vez que os utentes não podem ficar sem médico de família. A autonomia dos ACeS e o seu redimensionamento são considerados pelo GPBE como necessários, salientando que a dimensão de alguns os torna difíceis de governar.

Foram ainda abordadas as questões do subfinanciamento na saúde. À data da reunião, desconhecendo o orçamento de estado para a saúde, o GPBE defende que se acabe com o subfinanciamento crónico do SNS.

A exclusividade devidamente remunerada dos profissionais de saúde é defendida pelo GPBE.

Da excelente receção pelo Partido Político em questão, destaca-se o envolvimento e reafirmação conjunta da mais-valia comprovada das USF para o SNS, para o país e para o cidadão.

A USF-AN espera ser recebida pelos restantes partidos políticos e continuará a desenvolver todos os esforços para ter mais USF em prol do desenvolvimento do SNS e dos Cuidados de Saúde de proximidade.

A Direção

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Don't have account. Register

Lost Password

Register

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!