Reunião CTN Contratualização

No passado dia 6 de fevereiro, a USF-AN participou na 13ª reunião da CTN para a Contratualização. Realçamos que a única entidade que não esteve presente nesta reunião foi a SPMS, EPE.

Da ordem de trabalhos proposta, a discussão com mais relevância foi a introduzida pelo ponto nº 2: Discussão sobre integração dos 3 indicadores da urgência (339, 410 e 412) no IDG 2019.

  • Indicador 339Taxa anual ajustada de episódios de urgência hospitalar
  • Indicador 410Taxa anual ajustada de utilizadores frequentes ou muito frequentes do serviço de urgência hospitalar
  • Indicador 412Proporção de consultas médicas de “Doença aguda” efetuadas na UF de inscrição do utente, contabilizando no denominador a soma de episódios de urgência dos utentes inscritos com as consultas de doença aguda efetuadas no ACeS de inscrição

Começamos por solicitar à ACSS, IP que revelasse a entidade que fez o pedido para que estes indicadores relacionados com o Serviço de Urgência (SU) fossem incorporados no IDG de 2019, tendo esta, pela voz de Ricardo Mestre, informado que foi a pedido da atual Senhora SES.

Ainda sobre este tema, a USF-AN salientou que, a nível central, há excessiva preocupação com indicadores de IDG e pouca preocupação em fornecer às USF a informação devida para poderem corrigir as não conformidades. Por exemplo, nesta área do SU, as USF continuam eternamente à espera que lhes sejam enviadas mensalmente as listagens dos seus utentes (tipificados por categorias de urgência – triagem de Machester) que vão ao SU.

Além disso focou que, em termos gerais, não estão reunidos os critérios da Portaria da Contratualização (Portaria n.º 212/2017, de 19 de julho) para se inserirem os três indicadores em causa, focando a necessidade de nos concentrarmos em criar condições para a existência de um relatório nacional por unidade de saúde, tipificado e regular (mensal ou trimestral), que permita obter dados mais qualificados referentes ao acesso (quem são os utilizadores e qual o motivo), em termos qualitativos, da ida ao SU.

Alinhada com a USF-AN, a CNCSP defende que estes indicadores não medem nenhuma responsabilização clínica, mas sim, factos socioeconómicos, defendendo igualmente que os Médicos de MGF devem ser informados sobre os seus utentes que utilizaram o SU.

Por fim, ainda sobre este ponto, foram votados os respetivos indicadores para cálculo do IDG 2019 e monitorização, bem como respetivos Intervalos Esperados e a Variação Aceitável para cada indicador.

Os resultados foram:

  • Indicador 339Taxa anual ajustada de episódios de urgência hospitalar
    • Aprovado para o cálculo do IDG 2019
    • Intervalos Esperados: [0; 50]
    • Variação Aceitável [0; 70]
  • Indicador 410Taxa anual ajustada de utilizadores frequentes ou muito frequentes do serviço de urgência hospitalar
    • Aprovado para o cálculo do IDG 2019
    • Intervalos Esperados: [0; 3,3]
    • Variação Aceitável [0; 3,6]
  • Indicador 412Proporção de consultas médicas de “Doença aguda” efetuadas na UF de inscrição do utente, contabilizando no denominador a soma de episódios de urgência dos utentes inscritos com as consultas de doença aguda efetuadas no ACeS de inscrição
    • Não Aprovado para o cálculo do IDG 2019, apenas para monitorização
    • Intervalos Esperados: [65,5; 85]
    • Variação Aceitável [60; 85]

Resta salientar que a USF-AN se absteve na votação dos indicadores 339 e 410, tendo votado “contra” para o indicador 412.

As atas das reuniões da Comissão Técnica Nacional da Contratualização decorridas podem ser consultadas aqui.

A Direção

PRÓXIMA REUNIÃO: 13 de março, 14h30, ACSS,IP

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Don't have account. Register

Lost Password

Register

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!