Autonomia responsável das USF e o seu enquadramento legal

As Unidades de Saúde Familiar (USF) que podem ser descritas como unidades funcionais dos Agrupamentos dos Centros de Saúde (ACeS), com autonomia organizativa, funcional e técnica, que contratualizam objetivos de acessibilidade, adequação, efetividade, eficiência e qualidade e que têm por missão a prestação de cuidados de saúde personalizados à população inscrita de uma determinada área geográfica, cujo regime jurídico foi estabelecido pelo DL 298/2007 de 22 de agosto, são o culminar de um projeto iniciado em 1998 (Regime Remuneratório Experimental – DL 117/98, de 5 de Maio) e que pretendia encontrar resposta aos vários problemas identificados nos modelos até então vigentes nos Centros de Saúde.

Dos muitos problemas identificados, destacavam-se:

– Número elevado de utentes sem médico de família;

– Dificuldades na obtenção atempada de consulta do utente para o seu médico;

– Desadequação em termos de horários, de marcações e de tempos de espera no Centro de Saúde;

– Prática de uma medicina designada como “defensiva”, traduzida no recurso “excessivo” à prescrição de MCDT e medicamentos, bem como falta de evidência na adesão a orientações técnicas;

– Desmotivação e insatisfação dos profissionais, quer quanto ao regime remuneratório quer quanto às condições de trabalho;

– Falta de instrumentos de gestão e informação e deficiente articulação com outras unidades de saúde, entre outros;

De acordo com o primeiro relatório da Equipa de Acompanhamento do RRE, de março de 2000, a hipótese que se queria estudar era a de que “através de um modelo inovador de organização da prestação de cuidados, em que se entrega nas mãos de profissionais a capacidade para se auto-organizarem, apresentando objectivos e metas concretas e comprometendo-se com a sua execução, é possível obter maior rigor no desempenho, maior responsabilidade individual e da equipa pelo grau de eficiência obtido, com ganhos evidentes em qualidade associados a uma racionalização da utilização de recursos”.

O modelo RRE, “permitiu, após várias avaliações, identificar ganhos em saúde e aumentar a qualidade dos cuidados prestados, com satisfação para os utilizadores e para os profissionais” (preâmbulo do DL 298/2007).

O sucesso alcançado por este regime inovador abriu portas à implementação, numa maior escala, deste conceito de auto-organização e responsabilidade individual, passando para os profissionais, agora não só os médicos como acontecia nos RRE, a gestão da respetiva unidade quer a nível organizacional quer a nível técnico, através de uma contratualização que estabelece os objetivos, indicadores e resultados a atingir nas áreas de desempenho, serviços e qualidade, incluindo o plano de formação e o plano de aplicação dos incentivos institucionais.

Visando a persecução dos objetivos supra definidos e mediante parâmetros definidos na lei, nomeadamente no DL 298/2007 de 22 de agosto, alterado e republicado pelo DL 73/2017 de 21 de junho, na Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas, (Lei 35/2014 de 21 de junho) e no Código do Trabalho (Lei 7/2009 de 12 de fevereiro), cabe à USF a definição do seu plano de ação, plano esse adequado à dimensão, necessidades e caraterísticas da população abrangida.

A USF tem assim autonomia organizativa para definir o seu funcionamento, organizando os horários dos seus profissionais, definindo as diferentes formas de prestação desses horários, as cargas horárias diárias de cada profissional, intersubstituições e até o incremento de tempo necessários ao ajustamento às Unidades Contratualizadas do suplemento associado às unidades ponderadas da lista de utentes.

Todas estas decisões devem ser tomadas através do seu conselho geral e definidas em regulamento interno.

A autonomia das USF está também patente no plano de ação que traduz o programa de atuação na prestação de cuidados de saúde de forma personalizada.

Assim, a autonomia concedida às USF e aos seus profissionais, visa não só prover por uma maior motivação e satisfação dos profissionais envolvidos, mas também e principalmente responder com qualidade e eficiência aos problemas identificados aquando da implementação dos RRE.

E como bem refere o preâmbulo do DL 298/2007:

“Equipas multiprofissionais motivadas, portadoras de uma cultura de responsabilização partilhada e com práticas cimentadas na reflexão crítica e na confiança recíproca, constituem o principal activo e a mais-valia estratégica das USF e, consequentemente, são os intérpretes mais qualificados para conduzir a reforma dos CSP.”

Hélder Oliveira Ferreira

O Consultor Jurídico

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Don't have account. Register

Lost Password

Register

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!